Pra pensar!!!

Acho que aqui todos sabem que eu sou fã e admiradora do trabalho de John Mayer…

Recentemente vi um video no youtube de uma música tão harmoniosa, fui procurar pela letra e não conseguia encontrá-la…
Até que hoje encontrei…

A letra me fez pensar muito, e pensar não só no significado da palavra AMOR, mais o que ela representa para mim e para o meu noivo…

Veja o vídeo e depois tem a tradução:

O Amor É Um Verbo

O amor é um verbo
Não é uma coisa
Não é algo que você possui
Não é algo que você grita
Quando você me mostra o amor
Eu não preciso de suas palavras
Sim, o amor não é uma coisa
O amor é um verbo
O amor não é uma coisa
O amor é um verbo

O amor não é uma paixão
Não é uma desculpa
Não, você não pode obter através do amor
Em apenas uma pilha de I.O.U.s
O amor não é uma piada
Apesar do que você já ouviu
Sim, o amor não é uma coisa
O amor é um verbo
O amor não é uma coisa
O amor é um verbo

Então você tem que mostrar mostrar mostrar-me
(Mostrar Mostrar-me)
Mostrar Mostrar-me
Que o amor é um verbo
Sim, você tem que mostrar mostrar mostrar-me
(Mostrar Mostrar-me)
Mostrar Mostrar-me
Esse amor é um verbo

O amor não é uma coisa
O amor é um verbo

Tenham uma ótima segunda feira!!!

A leitura que virou filme

Falei dele nesse dia: QUINTA-FEIRA, 10 DE MARÇO DE 2011

Agora saiu a crítica do filme (http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/o+noivo+da+minha+melhor+amiga+busca+originalidade+e+diverte/n1596948642388.html)

Se há um gênero que precisa de renovação, é o das comédias românticas, geralmente um mar de clichês que lhes rouba, não raro, boa parte da graça e do romance. Então, o esforço feito pelo diretor Luke Greenfiled para buscar um pouquinho de originalidade em “O Noivo da Minha Melhor Amiga” pode ser elogiado, ainda que nem tudo tenha dado certo.

Sem dúvida, é um avanço na carreira do diretor Greenfield, que tem no currículo os fraquinhos “Um Show de Vizinha” (2004) e “Animal” (2001).

A partir do roteiro de Jennie Snyder, baseado num livro de Emily Giffin, desenvolve-se a trama do trio principal, as amigas de infância Rachel (Ginnifer Goodwin) e Darcy (Kate Hudson) e o noivo de Darcy, Dex (Colin Egglesfield). Dex era colega de Rachel na faculdade de Direito e ela era caidinha por ele. Mas quando a exuberante e mais agressiva Darcy o conheceu, fisgou o rapaz e marcou o casamento.

Justamente quando os preparativos do casamento entram na reta final é que o imbróglio se desenrola. A mal-disfarçada atração entre Rachel e Dex (ele também estava de olho nela) acaba saindo do controle. Na festa de aniversário de 30 anos de Rachel, os dois beberam, se soltaram e rolou uma noite de amor.

No dia seguinte, ninguém sabe o que fazer. Na dúvida, nenhum dos dois está a fim de contar nada a Darcy. Dex acha uma desculpa para o seu sumiço a noite toda e a vida segue. Os sentimentos divididos, bem como a culpa, não saem da cabeça do noivo e da melhor amiga da noiva.

Foto: DivulgaçãoAmpliar
John Krasinski: o melhor coadjuvante
Veja também:
Relembre os filmes de Kate Hudson no Cinemaki
Contando com um galã, Colin Eggsfield (da série “Melrose Place”), que é quase um clone de Tom Cruise, e uma Kate Hudson cada vez mais parecida com a mãe, Goldie Hawn – embora com um veneno diferente no jeito de fazer humor -, o filme se ressente um pouco da camisa-de-força de bondade excessiva que resolve vestir na pobre Rachel – aturando como uma candidata a santa todos os excessos invasivos da amiga que, a bem da verdade, roubou-lhe o namorado bem no dia de seu primeiro encontro de verdade.

O filme não se livra, portanto, dessa espécie de código moral dúbio das comédias românticas de Hollywood, segundo o qual dormir com o noivo da amiga até pode – se ela não souber – mas dar-lhe umas duras, nunca.

Em compensação, alguns coadjuvantes movimentam a história com bastante personalidade. O melhor deles é John Krasinski (da série “Office”). Na pele de Ethan, amigo de Rachel que tenta injetar um pouco de auto-estima na moça, ele rouba a cena diversas vezes – uma das melhores, num jogo na praia.

Mas também têm seus momentos Claire (Ashley Williams), uma assanhada crônica que tenta de todo jeito conquistar Ethan. Para livrar-se desta marcação, ele até finge ser gay, o que rende algumas sequências divertidas.

Outro que marca sua presença é Marcus (Steve Howey), um amigo de Dex, típico cafajeste profissional e baixaria, que joga seu pseudo-charme grosseiro para toda mulher que se aproxime – Rachel é uma de suas vítimas, com apoio da amiga Darcy, que acha que ela está solitária demais.

Muitas idas e vindas se processam até a decisão final sobre o casamento. Alguns dos desdobramentos são até um pouco mais sérios do que a média das comédias românticas. A personagem de Kate Hudson, especialmente, tem nuances meio inesperadas na parte final.

Se deliciem com as imagens…

Dica: filme para fds

FILME BASEADO EM LIVRO: PS EU TE AMO

Holly e Gerry se conhecem e namoram desde os tempos de ensino médio. Todos os que convivem com eles sabem que são perfeitos um para o outro. Após um relacionamento de 15 anos que culminou num casamento, Gerry é diagnosticado com câncer no cérebro. Holly então decide largar o emprego (que ela já não gostava muito) para ficar em tempo integral ao lado do marido. Mesmo com tantos esforços, a doença de Gerry não pode ser curada. Sabendo de sua morte iminente, ele então escreve diversas cartas pra sua esposa pra ajudá-la a começar a viver a vida sem ele. Gerry a conhece tão bem que sabe que só ele seria capaz de confortá-la nesse momento. O livro começa após a morte de Gerry e acompanhamos por um tempo o sofrimento de Holly que após se recuperar um pouco decide ir visitar seus pais e irmãos, e é nessa visita que sua mãe a entrega uma caixa com várias cartas e o nome de um mês em cada envelope. A primeira carta contém as instruções de como e quando Holly deve abrir cada envelope. Depois disso os maiores momentos de felicidade dela são os primeiros dias de cada mês, onde ela pode ler algo que Gerry escreveu pra ela. Dentre as cartas existem várias mensagens confortadoras, viagens, aventuras e coisas que ela deve cumprir enquanto seu marido ainda está ajudando-a a seguir em frente.

As diferenças entre livro e filme são muitas, mas eu não vou falar delas aqui pois posso acabar revelando algum spoiler pra quem ainda não viu nenhum dos dois. A história do livro também é linda e me fez ficar com os olhos cheios d’ água, mas senti falta de algumas coisas que eu amei no filme como “nunca vi uma garota com tantas cores”.

Leia mais em: http://www.euleioeuconto.com/2010/05/ps-eu-te-amo.html#ixzz1HnIVrMiq

Bom domingo