Casamento: com que roupa eu vou???

Com que roupa eu vou?

Um casamento é uma ocasião pra lá de especial. Por esta razão, todos os convidados procuram se vestir de acordo, mas alguns detalhes podem comprometer o traje escolhido. Para que isto não aconteça, darei algumas dicas que podem ajudar na hora de definir o figurino.

Numa cerimônia matrimonial, dois fatores determinam de que maneira os convidados devem se vestir: o horário e o bom-senso.

Seguindo este preceito, podemos sugerir algumas idéias que deixarão você ainda mais elegante.

Vamos ao guarda-roupa!

A principal regra para as mulheres é: nunca tente chamar mais atenção do que a noiva.

Vestir branco, gelo, marfim ou outras variações destas cores pode ser considerado uma gafe, pois estes são tons usados no vestido da estrela do evento: a noiva.

Além disso, para as madrinhas, é desaconselhável usar preto no altar.

Para cerimônias realizadas até as 18h, podem ser usados vestidos lisos ou com estampas florais, tecidos leves como organza, crepe ou seda. Os tons podem ser claros e o comprimento recomendado é abaixo do joelho ou longo. Aconselho a não usar brilho neste horário.

Para casamentos ao ar livre, o uso de chapéu é liberado. Mas este acessório é dispensável em cerimônias realizadas em locais fechados, principalmente igrejas. Afinal, convenhamos, chapéu, na maioria das vezes, serve pra proteger do sol, não é?

Já para celebrações realizadas entre 18h e 20h, é recomendável o uso de vestidos com cores mais escuras e pouco brilho ou bordado. O comprimento é longo.

Com o cair da noite, o chapéu passa a ser um item totalmente dispensável do vestuário feminino.

As cerimônias após as 20h são mais requintadas. Por isso, os vestidos podem ser mais exuberantes com brilhos, bordados ou jóias maiores.

Para os homens, as opções são: terno, smoking, fraque ou meio fraque.

O terno é uma alternativa para todos os horários. Pode ser usado tanto em casamentos diurnos como também durante a noite.

Recomenda-se sempre usar cores escuras para esta ocasião. Evite os tons de branco e bege.

Nos EUA, é muito comum usar smoking em casamentos. No Brasil, para cerimônias mais formais, o mais usual é vestir fraque ou meio fraque.

O fraque é composto por paletó com a parte de trás mais longa, cinza chumbo, colete cinza claro, calça risca de giz e gravata plastron de seda ou cetim, presa por uma pérola. Já no meio fraque, usa-se um paletó no mesmo comprimento do terno.

Lembre-se: menos é mais.

(retirado;. http://www.papercrafts.com.br/dicas-para-casamento/dicas.asp?link=Com-que-roupa-eu-vou? 31/03/2011)

Anúncios

Damas de honra, daminhas e pajens

Todo mundo tem uma história engraçada para contar sobre crianças em casamentos. Um caso que eu sempre lembro foi quando a daminha gostou tanto das alianças que carregava que não queria entregá-las para os noivos de jeito nenhum. Foi preciso muita paciência e muita conversa para a menina mudar de idéia. Nem preciso detalhar a angústia dos noivos, né?

Para quem faz questão de ter daminhas e pajens em seu casamento, é recomendável chamar crianças entre cinco e oito anos, justamente para evitar esse tipo de problema. Por serem um pouco mais velhas, elas se assustam menos com a confusão ao redor do altar e se distraem menos em sua missão.

Tem noiva que adoraria colocar todos os sobrinhos e filhos dos amigos no cortejo. A decisão final é sua, mas lembre-se que quanto mais crianças você tem, mais complicado é para administrar a bagunça. Um casal ou duas meninas para a entrada das alianças é lindo e não dá trabalho.

No que diz respeito à roupa das daminhas, é preciso ter sempre em mente que elas não são noivas em miniatura. Portanto, nada de luvas longas ou vestidos exagerados, com muitos detalhes e brilhos!

As daminhas devem vestir tons claros e o comprimento da saia deve ser, no máximo, na canela. Buquês pequenos, com as mesmas flores do buquê principal, e arranjos de cabeça simples – e pronto!

O tipo de tecido dos vestidos depende do horário da cerimônia: casamentos de manhã permitem modelos estampados, por exemplo. Já nas cerimônias na parte da tarde, os vestidos podem ser de organza, tafetá ou cetim. À noite, detalhes em renda ou fitas de cetim ficam muito bem.

Os pajens, em geral, vestem roupas de tons escuros com camisas e meias brancas, e sapatos de verniz ou de couro. Meninos pequenos (até quatro anos de idade) usam calças curtas, batendo nos joelhos. Os pajens mais velhos vestem roupas no mesmo estilo do noivo.

Quem não tem crianças na família pode ter damas de honra no cortejo. Elas costumam ser as irmãs mais novas, primas ou amigas da noiva, entre 14 e 23 anos. Antigamente, os vestidos das damas de honra eram iguais, e a noiva oferecia o tecido. Os costumes mudaram, mas as roupas das damas de honra ainda devem acompanhar o estilo do vestido da noiva.

A noiva, aliás, é quem determina a cor e o modelo dos vestidos e arranjos das damas de honra. É sempre bom conversar com as amigas que farão parte do cortejo para saber que tipo de roupa fica melhor nelas. Isso ajuda a evitar muitos contratempos e mau humor – afinal ninguém quer ficar feia no dia da cerimônia, mesmo que seja para acompanhar as amigas!

Cada grupo entra, em pares, ao som da sua própria música: primeiro as daminhas, depois os pajens e, por fim, as damas de honra. Uma opção é formar casais de daminhas e pajens, que entram lado a lado. Ao chegar no altar, o cortejo se divide, parte para a esquerda e parte para a direita. Caso você tenha apenas uma daminha ou um pajem, ele deve ficar do lado esquerdo.

Como deve ser a roupa das Damas e Pagens

Casamentos pela manhã – até às 12h30: Pela manhã, seus vestidos devem ser sempre em tons suaves e claros. Fica muito bem o tafetá estampado para as daminhas. Evite os vestidos tomara-que-caia para crianças, bem como decotes pronunciados para as damas. As crianças podem usar luvas curtas e as damas luvas médias. Os modelos devem ser curtos ou channel. Os sapatos devem sempre acompanhar a cor da saia dos vestidos. Os arranjos de flores naturais e os chapéus com arranjos são mais indicados. Os pajens podem usar bombachas ou calças com pregas. As camisas podem ser acompanhadas de gravatas e/ou coletes. Sapatos pretos e meias ¾ brancas.

Casamentos à tarde – até às 18h30: Os tons dos vestidos das damas podem acompanhar os tons da decoração da Igreja. As daminhas podem usar vestidos mais longos. Os tecidos podem ser organza, gazar, tafetá e cetim. Veludo é muito elegante no inverno, inclusive para os pajens. Chapéus e arranjos podem ser usados com suas abas de acordo com o tamanho da criança. Damas devem estar de luvas, bem como as daminhas. Os pajens podem usar bombacha com colete e camisa, ternos e dinners com detalhes iguais.

Casamentos à noite: Para as daminhas e as damas, vestidos longos. Caso queira bordado, use somente pérolas. Deixe os brilhos para a noiva. Prefira enfeites de renda e fitas de cetim, ficam muito charmosos. Todo o grupo de daminhas deve usar o mesmo tom e, se possível, o mesmo modelo. Os arranjos de cabelo podem ser com flores artificiais, naturais ou chapéus. Sapatos forrados com o tecido do vestido. As damas e as daminhas devem usar uma maquiagem muito suave, com batons e sombras em tons pastéis. Os cabelos devem sempre estar mais presos na frente. Os pajens podem usar bombachas ou meio-fraque, dinner e até smoking. Sem precisar estar igual ao noivo, mas parecido com os padrinhos. Os sapatinhos podem ser de verniz.

Márcia Possik
Assessora de Casamento

(retirado: http://www.casaecasamento.com.br/Item.aspx?Menu=2&SubMenu=3&Topico=1 31/03;2011)

Dicas: Chá-bar

O chá bar é uma festa descontraída com muita bebida, música e dança, realizada pelos amigos do noivo, onde os presentes são exclusivamente para o bar do casal. Tanto o chá de cozinha como o chá bar, pode ser feitos separadamente, mas se os noivos preferirem, podem ser feitos juntos em um único dia para os amigos em comum.

Lista de presentes para o chá bar:

– Abridor de garrafas
– Baldes para gelo
– Coqueteleira
– Cooler (recipiente para gelar bebidas)
– Copos para whisky, cerveja, vinho, licor e etc.
– Corta lacre para vinho
– Dosador
– Faquinha de serra
– Garfinhos para aperitivo
– Garrafas de vinho branco, tinto e rosê
– Kit caipirinha
– Petisqueira
– Pimenteiro
– Pinça de gelo
– Potes para patê
– Porta copos
– Porta guardanapos
– Porta vinho
– Queijeira
– Saca-rolhas
– Saleiros
– Taças
– Whisky e licores

(retirado: http://www.casamentomania.com/2011/03/detalhes-importantes-do-cha-bar.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+casamentomania%2FmloH+%28Casamentomania%29 (31/03/2011)

casando sem grana

http://casandosemgrana.com.br/tag/casamentos-reais-2/

Para quem estava com saudades, mais um casamento econômico, para começar bem a semana =)

E este hoje é da Amanda e do Mário que se casaram no dia 24 de abril de 2010 em Taubaté, interior de São Paulo. A união deles contou com uma homenagem do noivo que entrou na igreja com sua avó de 93 anos e algo um tanto quanto inesperado para nós: Eles optaram por não ter recepção após o casamento e tudo deu absolutamente certo. Pois é! A maior dúvida de algumas meninas está aqui expressada em forma de sucesso! =D

Mas para não ficar só no que eu falo, veja o que ela me contou…

***

“Conheço o blog de vocês faz bastante tempo, no entanto, não tinha coragem de mandar um relato sobre meu casamento. Mas como todo dia visito o blog e leio os posts sobre os relatos dos casamentos, resolvi partilhar minha experiência com vocês e as leitoras.

Nos casamos há 10 meses e com muita luta e, ajuda de nossos familiares e amigos, conseguimos realizar nosso sonho.
Quando eu e meu marido (até então noivo) Mário começamos a pensar em casamento, percebemos que deveríamos fazer alguns sacrifícios, ou seja, não conseguiríamos fazer tudo que gostaríamos. Nós dois temos famílias enormes e para fazer uma festa, deixaríamos de ter a “Lua de mel dos sonhos”. Mário e meus pais me perguntaram, do que eu gostaria mais. Sem pensar “meia vez” decidi pela lua de mel (o que agradou bastante o meu noivo também). Deixa-me explicar melhor: Desde criança sempre sonhei em conhecer a Itália. Sempre me identifiquei com a cultura, os costumes e, além disso, a Itália é linda demais. O Mário também adora conhecer novos lugares, viajar; então entre uma festa ou uma viagem inesquecível, optamos pela viagem! Nossos pais nos ajudaram bastante e fomos juntando todas as nossas economias para a viagem.

Nos casamos às 17h do dia 24 de abril de 2010 no Convento Santa Clara, em Taubaté. Vamos à missa lá há muito tempo e somos grandes amigos dos freis que ali moram. Por isso quando conversamos com o guardião (o frei responsável pelo convento) e o convidamos para celebrar o nosso casamento, ele ficou tão feliz que nos “emprestou” a igreja de presente e celebrou sem cobrar nada! Vale ressaltar que nessa Igreja não é costume fazer casamento então, fomos privilegiados, economizamos e, além disso como o frei é nosso amigo e nos conhece, tornou a cerimônia íntima e emocionante!

Na decoração da igreja optamos pelo mais simples possível já que a própria igreja é muito linda. E o decorador que escolhemos foi o que tinha o preço mais em conta. Além do mais ganhei o meu bouquet como cortesia do decorador e como queria homenagear minha mãe e avó paterna falecida do meu marido, pedi que fizessem o acabamento do bouquet com uma fita que minha mãe tinha de seu vestido de noiva e usei também um terço da avó do meu marido. Para homenagear a avó materna, ele resolveu entrar da braços dados com ela e com a mãe também.

Rodamos a cidade toda pesquisando fotografia e filmagem e fechamos com um estúdio que tinha um preço ótimo e bem mais barato que os fotógrafos badalados da cidade. A filmagem também foi fechada com outra empresa que gostamos muito do estilo (aqui em Taubaté a indústria de casamento é muito engessada, mas alguns poucos ainda se arriscam, ainda que seja modestamente). E foi meu sogro quem pagou!

Meu vestido, meus pais que alugaram para mim do jeito que eu queria! Fomos até Jacareí onde diziam que era o melhor preço, por isso nem pesquisei, fui direto para lá, mas hoje acho que deveria ter pesquisado um pouco mais ou ter ido até São Paulo, para conferir.

Fiz o bouquet da dama de honra com pirulitos! Ficou uma graça e os convidados comentaram muito!

O dia da noiva ganhei da minha chefe, que mais posso chamar de amiga e 2ª. mãe! Fui tratada como uma princesa!

O carro que me levou até a igreja foi cortesia da empresa onde o Mário trabalha.

Pesquisamos os preços dos convites na cidade inteira e achamos muito caro, além de não gostarmos de nenhum modelo. Por isso nós que fizemos e, para mim, ficou lindo! Queria muito com lacre de cera e minha madrinha querida conseguiu encontrar um lugar em Minas que confeccionava. Acho só que deveria ter mandado imprimir numa gráfica para ficar com um acabamento melhor, mas mesmo assim ficou lindo.

A música do casamento quem nos presenteou foi o meu cunhado, irmão do Mário. Ele trabalha com música e organizou a orquestra sem que tivéssemos que pagar, pois ele se responsabilizou por tudo!

Pensei muito na lembrancinha de casamento, porque mesmo sem festa, queria muito entregar algo para os convidados para que se lembrassem de nós. Mas como já falei, aqui em Taubaté além de não ter variedade, são muito caros. Decidi pesquisar na internet em sites de brindes e, quando eu vi os broches, me apaixonei! Pesquisei preço, é claro, e mandei fazer. E não é que eu adorei o resultado?! E os convidados também, pois elogiaram muito. Depois quando comecei a acessar sites de casamento (pois fiquei viciada, rsrs) encontrei vários casamentos que distribuíam broches também!

Nosso casamento foi simples, porém maravilhoso! Todos se emocionaram muito e depois do casamento foram nos elogiar pelo carinho e cuidados com que fizemos tudo. A tia do meu marido até nos falou “Sua festa foi aqui, não precisa de outra!”

Nossa Lua de Mel foi fantástica! Realizei meu sonho conhecendo um dos países mais lindos e românticos do mundo!
E o mais fantástico de tudo isso, é que ao final da Lua de Mel, não estávamos com nenhuma dívida!

Já faz 10 meses de tudo isso, mas para mim estas memórias estão muito vivas e me sinto para sempre Noiva! Quero casar muitas outras vezes, é claro, com o mesmo marido pois casar é bom demais! E é claro que agora tiro muitas idéias do “Casando sem grana” para fazer a festinha das minhas bodas…”

(acesso realizado dia 29/03/2011)

VALE A PENA CONFERIR O SITE